Melatonina 3mg

  • Em promoção
  • Preço normal R$ 34,90


Melatonina é um hormônio produzido naturalmente pelo corpo humano. Também conhecido como hormônio do sono, uma de suas funções básicas é induzir a pessoa a dormir. Ela está relacionada com a regulação do metabolismo ao longo do dia, o que inclui os períodos em que a pessoa está dormindo ou acordada.

A melatonina é um hormônio ligado ao ciclo circadiano, ou seja, a forma como o organismo organiza suas funções quando estamos acordados e durante o sono.

A substância começa a ser produzida na glândula pineal quando o dia escurece, para ajudar o organismo se preparar para dormir. Ela atinge seu nível máximo quando estamos dormindo.

Com o nascer do sol e a volta da claridade, a glândula reduz a produção de melatonina, o que sinaliza que é o momento de acordar.

Por regular as funções do sono em todo o organismo, a maior parte dos órgãos possuem receptores para a melatonina. Portanto, é bem possível que ela atue no organismo de formas variadas, ainda desconhecidas pelos médicos.

Acredita-se que ela também tenha funções de regeneração celular e também ajude a combater inflamações no organismo.

Como hoje temos cada vez mais estímulos luminosos mesmo durante a noite, com a televisão, computadores e o uso constante do celular, algumas pessoas podem ter uma produção menor ou mais irregular da melatonina.

Alguns fatores costumam influenciar na produção de melatonina são:

  • Idade
  • Exposição a fontes de luz
  • Alguns medicamentos
  • Cegueira.

Benefícios da melatonina em estudo

Além de seus benefícios para o sono, pesquisadores tem analisado outros usos da melatonina na saúde. Veja algumas linhas de pesquisa:

-Tratamento da enxaqueca;Melhora na resposta à quimioterapia;Prevenção do câncer;Tratamento da síndrome dos ovários policísticos;Amenizar cólicas em bebês;Tratamento para calvíce e queda de cabelo.

Tratamento da enxaqueca Estudos recentes, alguns feitos aqui no Brasil, mostram os usos da melatonina no tratamento de alguns tipos específicos de enxaqueca.

Ela tem sido estudada para os casos em que os pacientes não respondem aos tratamentos comuns, que consistem no uso de analgésicos, entre outras terapias.

Mas ainda não se sabe qual efeito ela pode ter nesses casos e nem foi estabelecido um protocolo para seu uso.

Melhora na resposta à quimioterapia Alguns estudos em camundongos mostraram que a melatonina pode ajudar a aumentar a efetividade dos tratamentos para câncer usando quimioterapia.

Estudos ainda estão sendo feitos em humanos, mas ainda não se sabe se esse hormônio atuará da mesma maneira.

Prevenção do câncer Alguns estudiosos vão além e acreditam que a melatonina pode influenciar na prevenção de alguns tipos de câncer.

Existem argumentos biológicos para isso, já que um dos processos do corpo durante o sono é justamente regular o mecanismo que controla se as células novas criadas pelo corpo estão funcionando como deveriam, prevenindo o aparecimento de tumores.

Mas os testes em humanos ainda estão sendo feitos e precisam de alguns anos para chegarem a uma conclusão mais concreta.

Tratamento da síndrome dos ovários policísticos A melatonina influencia na ação diversos hormônios do corpo, inclusive alguns relacionados à síndrome dos ovários policísticos, como a insulina e o estradiol.

Portanto, essa interligação pode trazer benefícios para o tratamento e as pesquisas atuais estão mais focadas por enquanto em entender como a melatonina pode impactar nesses hormônios, para depois entender como usá-la nesses casos.

Amenizar cólicas em bebês Alguns estudos têm mostrado que a serotonina e a melatonina têm papeis importantes no intestino: enquanto a primeira causa uma contração nas paredes deste órgão, a segunda ajuda no relaxamento.

Como os bebês têm uma glândula pineal imatura, que ainda não produz melatonina, especialistas estudam se a suplementação com uma gota de melatonina ajudaria nesses casos, mas ainda não há conclusões e muito menos protocolos de tratamento de cólicas desta forma.

Tratamento para calvície e queda de cabelo Estudos recentes têm demonstrado que a melatonina em uso tópico pode ajudar a combater a alopécia androgenética em estágio inicial.

Ao que tudo indica, essa substância parece melhorar a multiplicação de células germinativas do bulbo capilar, estimulando o crescimento dos fios.

Além disso, ele parece melhorar o estresse oxidativo, que poderia favorecer a atuação do DHT (di-hidrotestosterona), um dos causadores deste tipo de alopécia. Hoje, esses produtos manipulados já estão liberados e são vendidos no Brasil.

Um estudo italiano feito em 2012 com 35 homens demonstrou esse efeito. Publicado no International Journal of Trichology, a pesquisa pediu que os voluntários, com idade entre 18 e 40 anos e portadores de alopécia androgenética usassem a solução capilar com melatonina uma vez ao dia por 6 meses.

Após o período, verificou-se que houve aumento da contagem capilar (29,2% após três meses e 42,7% após seis meses) e da densidade capilar (aumento de 29,1% em três meses e 40,9% em seis meses).

Modo de Uso

Uma dose de 3mg ao dia de uma a 2 horas antes de dormir.